Qualquer um pode adotar conceitos extremistas, mas sempre achamos que isto acontece só com o outro. Este tipo de visão de mundo pode ter sido desenvolvida a partir de   cultura educacional recebida em casa, na escola e na mídia, combinada com o ambiente social e econômico, traumas nacionais ou étnicos, e muito mais.

O diferente causa estranheza, diversidade e misturas demais fogem do padrão. E a partir daí O medo de que deixar seres humanos serem humanos pode resultar em caos.

O texto a seguir é de autoria de Erik Pema Kunzang do site  Levekunst Art of Life. Erik é dinamarquês e tradutor do budismo. Ele já traduziu mais de 50 volumes dos textos tibetanos e parábolas fazendo uma espécie de ponte entre o idioma tibetano e o inglês para levar ensinamentos de paz.

Fundamentalismo é uma posição da mente

Mente estreita, bloqueio da razão e falta de empatia acontecem com você?

Por Erik Pema Kunzang

Frequentemente, fundamentalistas são considerados como os outros, não eu. O fundamentalismo não é pessoal, é uma atitude. Não existe direito autoral na tendência em ter a mente estreita e bloquear a razão e a empatia, e isso pode se manifestar na mente de qualquer um. As causas são diversas, uma mistura de circunstâncias que incluem a cultura educacional recebida em casa, na escola e na mídia, combinada com o ambiente social e econômico, traumas nacionais ou étnicos, e muito mais.

A arrogância resultante, e o comportamento agressivo e abusivo que a atitude fundamentalista gera, pode ser transformada. Uma maneira prática para isso é começar se dando conta da dor que ela causa e da limitada bondade, inteligência e criatividade que ela permite. Dessa forma, é possível afrouxá-la a partir de dentro, e há diversas maneiras de fazê-lo.

O tempo em que vivemos, como frequentemente se proclama com orgulho, é alicerçado nos valores do bom coração. Chamamos isso de ser civilizados. Tais valores são essenciais para a coexistência pacífica neste planeta.

O perigo tem sido, e continua sendo, quando o melhor em nós é sequestrado pelo medo e a ignorância. É o medo que aparece sob a forma da atitude fundamentalista, mas ele tem por base a ignorância.

O medo de que deixar seres humanos serem humanos resulte em caos. É também o medo de acabar de volta à floresta, entre animais selvagens. O controle sobre os outros se torna justificado por uma elite auto selecionada, seja ela financeira, social ou religiosa.

Ele necessita de regras que, para serem efetivas, devem ser aplicadas por meio de rigoroso sistema de punição, tanto psicológico quanto corporal. Ou, ainda, pode ser instaurado ao trazer a visão do desastre para a maioria da população, convencendo-a de que a ameaça de acabar na rua nunca está distante. Isso, sim, é ser selvagem.

A abertura mental inteligente, combinada com bondade humana genuína, é o antídoto direto para o fundamentalismo. Ambos não podem coexistir simultaneamente na mesma mente.

Temos prova disto em nossa história planetária em comum, em como a consciência compartilhada sob a forma de escritores, artistas, pensadores e espiritualistas necessita fugir de um regime repressivo ou sofre sua perseguição. Também podemos vê-lo refletido no processo político, quando a tolerância e a racionalidade são identificadas como ameaças traiçoeiras aos interesses nacionais.

Precisamos direcionar a luz que irradia de nossa bondade intrínseca para que ilumine o ponto cego da atitude fundamentalista, e isso a cada vez que ela se revelar, a cada vez que nossa mente renuncie nossa habilidade de ver e pensar com clareza perante uma política ou religião que tente nos impor o que pensar ou fazer.

E a cada vez que nosso coração se tornar insensível às dores de todos os povos em nosso planeta, assustado ao ser nacionalmente egoísta.

Não seria melhor viver como uma comunidade global satisfeita, trabalhando juntos para resolver problemas comuns, e sendo livres na busca pela felicidade, não à custa dos outros, mas para o bem-estar, físico e espiritual, de todos?

Fonte: Este texto foi publicado pela revista Levekunst Art of Life  e sua reprodução pela Bodisatva

RECOMENDAMOS


COMENTÁRIOS




Revista Ecos da Paz
Viver em harmonia é possível quando abrimos o coração e a mente para empatia e o amor.