No Egito antigo o Deus Rá, o Deus do Sol, foi uma das divindades mais importantes e o país segue fazendo jus à este poder divino aproveitando seus recursos para gerar energia através de seu potencial de energia renovável. Com a nova usina solar Benban,  o Egito gerará uma redução nas emissões de carbono em quase dois milhões de toneladas.

A usina começou a operar parcialmente em 2017 e fica na região leste do deserto do Saara. A escolha do local não foi aleatória, deve-se às condições climáticas favoráveis, pois, nesta região a temperatura chega à 50º C. Apesar deste cenário ideal, a proximidade com o Saara obrigou a instalação de proteções mecânicas contra a poeira típica do deserto.

A planta consiste em 40 parcelas separadas, mas que são conectadas à rede de alta tensão no Egito, para isso foi criado quatro novas sub-estações. Estas quatro subestações também serão conectadas a uma linha existente de 220 Kv.

O principal objetivo da nova estação é gerar entre 1,5 e 2,0 GW de energia solar no início do ano 2020.

O financiamento do Benban Solar Park foi garantido por um seguro de “risco político” num valor superior a 200 milhões de dólares  através da Agência Multilateral de Garantia de Investimentos (MIGA), além disso, o International Finance Corporation e um consórcio de nove entidades bancárias internacionais vão fornecer um financiamento que ronda os 650 milhões de dólares de forma a financiar a construção de 13 centrais de energia solar fotovoltaicas. Estas centrais solares irão unir-se a outros 19 parques solares para formar o projeto Benban Solar Park.

Os valores de financiamento do Benban Solar Park representam o maior pacote de financiamento do setor privado para uma central solar fotovoltaica ao nível do Médio Oriente e Norte de África. Este mega projeto solar possui uma relevante importância para o setor das energias renováveis egípcio e os valores totais necessários para a construção serão na ordem dos 825 milhões de dólares.

Geração de emprego e renda

Essa megaestrutura foi construída em uma área com um grande número de desempregados. Para sua construção, foram solicitados os serviços de mais de 10.000 pessoas. Quando esse projeto atingir seu desempenho máximo, estima-se que ele gere cerca de 4.000 empregos diretos para as pessoas da área. Durante o período de sua construção, os operários trabalhavam nas horas mais frias do dia por proteção.
Segundo dados da Agência Internacional de Energia Renovável (IRENA), o setor de energia renovável criou mais de 500.000 novos empregos em todo o mundo em 2017, um aumento de 5,3% em relação a 2016.
A energia solar fotovoltaica é uma das fontes que mais gera empregos diretos e indiretos. Segundo representantes do Greenpeace os postos de trabalho criados são na cadeia de produção e instalação dos sistemas solares. Até mesmo a micro geração distribuída abre vagas de empregos em todas as partes do mundo. Pequenos sistemas fotovoltaicos instalados de 20 MW empregam 600 pessoas. Esse número pode se multiplicar com a instalação das usinas solares contratadas nos leilões. A estimativa é que uma usina solar de 1 GW gere 3 mil empregos.
Fonte: Curiosidades da Terra

COMENTÁRIOS




Revista Ecos da Paz
Viver em harmonia é possível quando abrimos o coração e a mente para empatia e o amor.