O plástico é usado para os mais diversos fins, desde potes de mantimentos a peças de automóveis ou engarrafar água, esta invenção do início do século 20 facilitou bastante a nossa vida. Contudo o seu descarte sempre foi um problema que ao longo de décadas se tornou insustentável.

A tragédia ambiental ao menos tem despertado nos empreendedores e empresários comprometidos com a sustentabilidade, soluções incríveis que têm impactado de maneira positiva o meio ambiente além promoverem a economia circular.

No Reino Unido, a empresa MacRebur encontrou uma solução para transformar as garrafas de plástico em um dos componentes para pavimentação de ruas. Uma boa opção de baixo impacto, já que o asfalto que conhecemos é fabricado a partir do petróleo, que gera muita emissão de carbono.

Toby McCartney, presidente da empresa, inspirou-se na técnica dos trabalhadores indianos para tampar os buracos das ruas. Durante o tempo que trabalhou no sul deste país, ele se perguntava porque as pessoas pegavam tanto plástico dos aterros sanitários. E descobriu que eles derretiam o plástico, cobriam e selavam o asfalto.

A técnica de Toby e seus parceiros mistura o plástico triturado aos componentes da massa asfáltica, com um detalhe importante: uma redução considerável do betume usado.

É mais barato e dura mais

Nem todos os plásticos servem para compor este processo, mas a maioria cumpre os requisitos, inclusive o plástico preto, o mais difícil de reciclar.

O plástico usado neste processo é o não reciclável, que é triturado e misturado à fórmula de concreto asfáltico usada para fazer estradas e ruas.

O resultado final é igual à de uma pavimentação convencional, mas com a vantagem de durar 10 vezes mais, é 60% mais forte e suporta melhor as temperaturas.

A empresa vende três tipos de mistura de polímeros. Cada um para um determinado tipo de via que vai desde estacionamento até estrada com circulação de caminhões.

Cada quilômetro pavimentado equivale ao peso de 684.000 garrafas ou 1,8 milhão de sacolas. Uma tonelada do mix contém o equivale de 80.000 garrafas de plástico.

Fonte: Pensar Contemporâneo, https://www.macrebur.com/

COMENTÁRIOS




Revista Ecos da Paz
Viver em harmonia é possível quando abrimos o coração e a mente para empatia e o amor.