Você deve estar se perguntando: o que são pessoas índigo?

De acordo com os terapeutas e estudiosos da espiritualidade, as pessoas índigo possuem a aura (o campo energético em volta da pessoa) da cor índigo, um azul mais escuro, como o de uma calça jeans tradicional.

A informação sobre a Geração Índigo começou a ser veiculada com este nome em 1982, quando a parapsicóloga norte-americana Nancy Ann Tappe lançou o livro “Understanding Your Life Through Color” (Entendendo sua Vida Através da Cor).

De uma maneira geral, são indivíduos que se comportam como agentes de transformação. Muitas das vezes são consideradas estranhas e incompreendidas. Não aceitam as crenças limitantes e agem de forma proativa em benefício da evolução humana.

Aqui vai uma lista de filmes sobre estas pessoas polêmicas e instigantes. Aperte o play e divirta-se!

1 – Índigo

O filme aborda a história da família de Grace, uma criança Índigo. Uma série de eventos marcam e mudam a vida e as relações entre estas pessoas, ao mesmo tempo em que o filme vai mostrando os dramas e a missão da geração Índigo.

A produção é de 2003 e tem a direção de Stephen Simon (o mesmo de Amor Além da Vida). Foi o primeiro filme a abordar a Geração Índigo como tema principal de uma produção cinematográfica.

2- A Menina Índigo

O longa-metragem de 2017 sob a direção de Wagner de Assis traz a história de Sofia (Letícia Braga), uma criança Índigo com a missão de transformar o mundo.

Ela é uma criança especial, que manifesta suas emoções através da pintura e possui o dom de curar pessoas. Muitas vezes ela é incompreendida por não se adequar aos padrões impostos, por seus dons intangíveis e por representar uma nova geração.

Os pais interpretados por Fernanda Machado e Murilo Rosa tentam encontrar maneiras de proteger e mesmo compreender os dons da filha, ao mesmo tempo que também se redescobrem.

Wagner de Assis tem familiaridade com a temática da espiritualidade, ele também dirigiu  Nosso Lar e Kardec.

 

3- Edukators

Um dos grandes filmes de 2004 que provoca o espectador com questões sobre injustiça social no mundo capitalista.

A trama de Hans Weingartner conta a história de Jule, interpretada por Julia Jentsch, que depois de provocar um acidente com o carro de um rico empresário, trabalha apenas para pagar a dívida.

Ela descobre que seu namorado, Peter, com o amigo Jan, invadem mansões secretamente. Eles se autodenominam “os educadores”. Entram nas casas dos ricos não para roubar, mas para deixar uma lição contra a sociedade: eles trocam todos os móveis de lugar e deixam suas mensagens de protesto espalhadas.

Numa das invasões, o plano não sai como o esperado e os personagens passarão alguns dias juntos numa cabana, onde protagonizarão uma das mais brilhantes discussões sobre o mundo que vivemos.

4- Mandela: O Caminho para Liberdade

Neste filme de 2014 dirigido por Justin Chadwick é possível conhecer mais de perto as origens, luta e história de Nelson Mandela, interpretado por Idris Elba, e de sua família.

O enredo retrata todo o percurso traçado pelo líder sul-africano desde a sua infância, vivendo em uma pequena aldeia rural, até a eleição democrática ao cargo de Presidente da República da África do Sul. Em uma luta constante pelo fim da segregação racial no país, Mandela chegou a passar 27 anos preso, lutando por seus direitos.

 

5- Na Natureza Selvagem

O filme conta a história real de Christopher McCandless, interpretado por Emile Hirsch, que ao se formar na universidade, frente a uma carreira promissora, ele percebe  que está vivendo uma ilusão apenas para agradar seus pais.

Então resolve doar todas suas economias, queimar seus documentos, e viajar sem destino pelos Estados Unidos, rumo ao Alaska sem avisar ninguém.

Sob a direção de Sean Penn e trilha sonora de Eddie Vedder, a produção de 2008 retrata muito bem o sentimento Índigo de revolta e rebeldia contra o sistema e a família, e uma busca constante de encontrar um lugar no mundo e o sentido para a vida.

 

6- Milk: A Voz da Liberdade

Filme de 2009 dirigido por Gus Van Sant, conta a história real de Harvey Milk, interpretado por Sean Penn.

Milk foi um político, ativista norte-americano e o primeiro homem abertamente gay a ser eleito a um cargo público na Califórnia. Lutou por uma sociedade igualitária LGBTI e contra a homofobia, até ser assassinado.

O filme traz uma importante mensagem sobre liberdade de ser quem somos. O preconceito (em suas diversas faces) é uma barreira que encontramos até hoje em nossa sociedade, uma velha estrutura que Índigos tentam quebrar.

 

7- As Sufragistas

Na busca da tão sonhada igualdade nesta nova Era, não poderíamos deixar de falar sobre o feminismo.

As sufragistas, filme de 2015 dirigido por Sarah Gavron se passa numa época muito antes de se falar em geração Índigo, mas retrata a busca pela mudança, por quebrar velhas estruturas de poder e repressão.

As sufragistas foram mulheres que lideraram um movimento de luta por igualdade e pelo direito de voto no século XIX, no Reino Unido. Infelizmente tomaram algumas atitudes drásticas por sobrevivência, e infelizmente esta luta continua atual.

As mulheres Índigos trouxeram à tona assuntos tão importantes sobre machismo, igualdade de salários, sobre não se calar diante de relacionamentos abusivos, assédio, estupro, violência doméstica e feminicídio.

 

8- Escritores da Liberdade

Escritores da Liberdade é um filme americano de 2007 dirigido por Richard LaGravenese, que mostra uma escola de um bairro pobre, cercada por agressividade, violência e tensão racial. Os alunos se mostram rebeldes e sem vontade de aprender pelos métodos tradicionais de ensino.

A chegada de uma nova professora, que traz abordagens diferentes de aprendizado, criando um ambiente de troca e empatia, faz a diferença na vida dos alunos que usam a escrita para mudar a si mesmos e ao mundo ao seu redor.

O filme é baseado na história real da educadora Erin Gruwel e aborda os desafios da educação, em especial em um contexto socioeconômico problemático.

Fonte: Guia da Alma

COMENTÁRIOS




Revista Ecos da Paz
Viver em harmonia é possível quando abrimos o coração e a mente para empatia e o amor.