Os chakras são centros de energia que temos no nosso corpo etéreo. O equilíbrio entre estes pontos nos garantem disposição e saúde.

Temos 90.000 chakras espalhados em nosso corpo, mas apenas 7 são os principais. Eles estão localizados ao longo da coluna vertebral e estão ligados às nossas glândulas endócrinas do corpo físico.

Eles servem como receptores de todas as vibrações de energia e informações que ultrapassam o plano físico.

Eles nos ligam ao mundo ilimitado das energias sutis e através deles podemos emitir vibrações de cura, bem como mensagens conscientes e inconscientes.

Os Nadis

Esta ligação entre os chakras e as glândulas se dá através dos canais de energia chamados nadis, que formam uma vasta rede.

Esta rede de canais formam o prana, a energia transportada no corpo e estes canais são inumeráveis.

Na bibliografia sobre o assunto, alguns textos trazem o expressivo número de 72.000 nadis, mas dentre estes milhares, três são de grande importância: Ida, Pingala e Sushumna.

Sushumna: localizada no centro do corpo, no eixo da cerebrospinal – desde a base da coluna até o alto da cabeça. Através deste canal se processa a descida e subida da energia cósmica. Todos os chakras tem raízes neste canal. É a energia do ser divino puro.

Pingala: localizada à direita do canal central (Sushumna). Condutor de energia solar, yang, é estimulante.

Ida: localizada à esquerda do canal central (Sushumna). Condutor de energia lunar, ying, é tranquilizadora.

Ida e Pingala tem capacidade de captar a energia (prana) diretamente do ar através da respiração quando inalamos e de expelir as toxinas ao exalarmos.

Estes três nadis também absorvem, diretamente do meio-ambiente, vibrações que correspondem às suas respectivas frequências, como uma espécie de antena receptora.

O nosso estilo de vida e os nossos relacionamentos estão diretamente ligados ao tipo de vibração que recebemos e emanamos.

Como se formam os bloqueios?

A princípio, o cerne mais profundo do nosso ser deveria viver numa inseparável unidade com o Ser absoluto.

Contudo, perdemos a consciência desta unidade no momento em que começamos a confiar somente nas informações que nos chegam através dos nossos sentidos, do raciocínio lógico e esquecemos da nossa base divina.

Nem sempre conseguimos manter nossos chakras, os nossos centros de energia alinhados. Quando nos deixamos absorver pelos problemas, pelas emoções negativas, os chakras ficam bloqueados.

O medo é um dos sentimentos que quebra esta unidade, ele provoca um retraimento, um bloqueio. Perdemos a sensação realização interior e da segurança na vida, além de ficarmos presos à aceitação de terceiros.

A insatisfação e a raiva também são vibrações que afetam não só a imagem que fazemos de terceiros, como também o nosso próprio sistema energético.

Os bloqueios do nosso sistema energético são liberados apenas na proporção em que estivermos dispostos a encarar os aspectos indesejados e reprimidos do nosso ser.

Como desbloquear?

A auto-aceitação incondicional, a elevação da autoestima leva ao desbloqueio.

Enquanto rejeitarmos alguma faceta da nossa personalidade consciente ou inconscientemente, se nos prendermos à auto-censura o desbloqueio não acontecerá.

É um processo que requer honestidade consigo mesmo e coragem.

Reprimimos certas emoções e desejos para corresponder às expectativas da sociedade, ou também à imagem que fazemos de nós mesmos.

Devemos praticar a autoaceitação sem preconceitos, isso corresponde à postura do nosso EU superior, que é aquela parte da nossa alma que nos une ao Ser divino.

Quando nos entregamos à sua liderança, temos a unidade interior e assim os bloqueios são dissolvidos.

Para desbloquear e equilibrá-los, existem várias práticas. Pode-se usar o Reiki, Florais, Fitoenergética, Cristais, Yoga e até Meditação.

Fonte: Livro “Chakras – Mandalas de vitalidade e poder”, Shalila Sharamon e Bodo J. Baginski – Editora Pensamento, São Paulo , 1998

 

 

 

 

 

 

 

COMENTÁRIOS




Revista Ecos da Paz
Viver em harmonia é possível quando abrimos o coração e a mente para empatia e o amor.